Alojamento para Profissionais de Saúde

 

Tenho uma Unidade Hoteleira e quero ajudar    Faço parte de uma Unidade Hospitalar

 

Orientações gerais sobre o programa de alojamento de profissionais de saúde

 

A AHP tem vindo a acompanhar, monitorizar e influenciar as medidas que vêm sendo propostas pelos organismos públicos, para encontrar soluções que possam ajudar a mitigar os efeitos do surto de COVID-19 nas empresas, nomeadamente no setor da Hotelaria.

Em simultâneo, a AHP tem procurado dar resposta aos inúmeros pedidos de informação e auxílio que chegam dos seus associados e também da sociedade civil.

Esta iniciativa é resultado do apelo de profissionais de saúde - médicos, enfermeiros e auxiliares de ação médica - que, em todo o país, fazem turnos consecutivos nas unidades de saúde nacionais, estando muitas vezes deslocados da sua área de residência, necessitando, por isso, de alojamento junto das unidades de saúde para onde foram deslocados, para além de que muitos não podem ir para casa para evitar o eventual contágio da sua família.

Assim, a AHP juntou-se ao movimento tech4COVID19 e à iniciativa Rooms Against COVID, num programa SOLIDÁRIO, sem fins lucrativos, que promove a ligação entre profissionais de saúde e alojamento GRATUITO, através de uma plataforma que está atualmente a agregar oferta, permitindo a reserva pelos profissionais de saúde.

 

O que devo ter em conta antes de aderir a esta iniciativa?

Os hotéis disponíveis devem oferecer gratuitamente alojamento aos profissionais de saúde, não cobrando qualquer valor pela estadia. Apenas os serviços adicionais poderão ser cobrados, devendo essa informação ser dada ao hóspede aquando da reserva.

A participação dos hotéis neste programa implica que disponibilizem apenas o quarto para dormir, não sendo necessário o acesso a quaisquer espaços comuns do hotel, como sala de refeições, copa ou outro (com exceção de lavandaria self-service, caso o hotel opte por disponibilizar esse serviço).

É apenas permitido o alojamento de um profissional de saúde por quarto.

A reserva inicial tem um limite mínimo de 14 noites e um limite máximo de 28 noites, limite máximo este que poderá ser prolongado caso o hotel tenha disponibilidade.

O hotel compromete-se a disponibilizar um ou mais pisos e um elevador (se aplicável), exclusivamente dedicados ao programa para alojamento de profissionais de saúde, devendo o acesso dos hóspedes estar confinado ao estacionamento, elevador e corredores de acesso ao respetivo quarto em que o hóspede ficará alojado.

 

Que ajudas poderei receber para facilitar a adesão?

O Turismo de Portugal, em articulação com a AHP e o Tech4COVID19, disponibilizou uma bolsa de apoio financeiro para ajudar os hotéis que aderirem a esta iniciativa solidária. Através da AHP, é pago aos hotéis aderentes, por cada quarto ocupado, o montante de €10,00 (só alojamento), ou €12,50 (alojamento e P.A.).

Adicionalmente, a AHP articulou-se com os principais fornecedores de serviços de eletricidade, gás e água e telecomunicações (estando a envolver os demais) para que no período em que os hotéis associados da AHP estiverem ao serviço desta iniciativa, disponibilizarem gratuitamente o fornecimento destas utilities.

 

Como posso registar o meu hotel?

Para que o hotel possa aderir a esta iniciativa e beneficiar dos apoios específicos, o registo é feito diretamente com a AHP - o responsável do hotel preenche o formulário online disponibilizado pela AHP e aguarda pelo nosso contacto para que possamos confirmar a aceitação dos termos e condições e validar a participação do hotel na iniciativa.

A AHP disponibiliza imediatamente alguma da informação referente ao hotel para que seja registado na plataforma Rooms Against COVID, nomeadamente o número de quartos disponíveis, os períodos disponíveis para estadia, e o contacto para reservas, de acordo com a informação prestada pelo hotel através do preenchimento do formulário online.

Quando o hotel fica online na plataforma Rooms Against COVID, os processos de reserva são feitos pelos profissionais de saúde diretamente através da plataforma.

 

Como funciona a reserva feita através da plataforma?

  • O profissional de saúde efetua a reserva na plataforma Rooms Against COVID, preenchendo um formulário com os seus *dados pessoais e profissionais, ao qual anexa um documento comprovativo em como é profissional de saúde, e justificativo da necessidade do alojamento por parte da unidade hospitalar.
  • Uma vez validado o registo, o profissional de saúde pode reservar o alojamento que pretende. 
  • O hotel recebe a confirmação da reserva com os contactos do profissional de saúde e os dados da reserva, já validados;
  • O hotel entra em contato com o profissional de saúde para organizar/agendar o check-in;
  • O profissional de saúde recebe um email de confirmação com a morada e contacto do hotel.
  • *Os dados pessoais serão geridos apenas ao abrigo do programa Rooms Against COVID, sendo posteriormente eliminados.

 

Como se organiza o check-in?

  • O hotel combina previamente a data e hora de chegada, garantindo que alguém está disponível para acompanhar o check in;
  • No momento do check in, o profissional de saúde apresenta os seguintes documentos:
    • Cartão de cidadão e/ou cartão de colaborador;
  • O profissional de saúde assina o Termo de Responsabilidade que fica arquivado no hotel.

Devido às orientações de distanciamento social, sugerimos que o check-in seja feito com a devida distância de segurança e com a maior brevidade possível.

 

Download Termo de Responsabilidade

 

Tenho de providenciar roupa de cama e toalhas? E outros produtos básicos?

  • O hotel disponibiliza a roupa de cama e as toalhas necessárias para o quarto, no dia do check-in. Fica ao critério do hotel, de acordo com a disponibilidade de recursos, deixar ou não a cama feita;
  • A troca de roupa é feita semanalmente. O profissional de saúde deve ser informado do dia em que deverá deixar a roupa (lençóis e toalhas) num saco à porta do quarto; 
  • O saco com a roupa suja é substituído pelo responsável do hotel, por um novo conjunto. Mais uma vez, fica ao critério do hotel, de acordo com a disponibilidade de recursos, deixar ou não a cama feita;
  • A troca semanal de roupa fica ao critério do hotel, de acordo com a disponibilidade de recursos, devendo o hotel ter sempre os cuidados necessários no manuseamento e lavagem da mesma. Caso a troca semanal de roupa não esteja prevista, essa informação deve ser dada ao hóspede aquando da reserva.
  • Não obstante a informação que veiculada junto dos profissionais de saúde de que a aquisição de todos os produtos de higiene são da sua responsabilidade, o hotel pode, se assim entender, disponibilizar amenities.

 

Caso o profissional de saúde opte por alojamento com pequeno almoço, como se processa? É obrigatório disponibilizar essa opção?

Caso o hotel não tenha possibilidade de oferecer pequeno almoço, não é obrigatório. No entanto, essa informação tem que ser disponibilizada ao profissional de saúde, antes de ser confirmada a reserva.

Se o hotel puder disponibilizar este serviço, devem seguir-se as seguintes indicações:

  • O pequeno almoço deve ser servido em formato de breakfast box, devendo todo o material ser descartável;
  • A caixa deve ser colocada à porta do quarto do profissional de saúde, em horário combinado previamente, tendo em conta a distribuição dos turnos de cada um no Hospital.
  • O profissional de saúde é responsável pelo descarte da caixa e respetivos desperdícios.

 

Quais os cuidados de limpeza e higienização necessários?

  • É aconselhado o uso de dispensadores de gel desinfetante em todas as áreas afetas à circulação dos profissionais de saúde;
  • É obrigatório haver uma limpeza adequada / desinfeção no final de cada estadia;
  • Cabe ao profissional de saúde assegurar a correta manutenção da limpeza do seu quarto e recolha do próprio lixo, podendo o hotel disponibilizar, preferencialmente:
    • Sacos de lixo e de roupa suja
    • Kit de limpeza para o quarto (pano, detergente)
  • A realização de limpezas intermédias fica à consideração do hotel, de acordo com a disponibilidade, se tiver os recursos e meios necessários;
  • Caso o hotel necessite, a AHP poderá indicar empresas especializadas em desinfeção dos quartos. 

 

Serviço de lavandaria (opcional para os hotéis)

Quando existe serviço de lavandaria, o hotel deve disponibilizar ao profissional de saúde sacos próprios, com a devida identificação, para que este possa depositar a roupa que pretende que seja lavada;

Deve ainda ser definido um local único para que os profissionais de saúde possam depositar eles mesmos os seus sacos. Este depósito deve ser realizado quando o profissional de saúde se estiver a deslocar para o exterior do hotel.

Quando existe serviço de lavandaria self-service, cabe ao hotel estabelecer o limite de utilização do mesmo (tendo em conta as dimensões e capacidade do espaço). Neste caso, deve ser assegurada, pelo hotel, a limpeza/desinfeção deste espaço.

 

E se o profissional de saúde quiser prolongar a estadia?

A reserva inicial tem um limite mínimo de 14 noites e um limite máximo de 28 noites, aos quais sugerimos adicionar mais 3 dias no final, para garantir o período de desocupação aconselhado, anterior à limpeza final. 

  • Se o hóspede pretender prolongar a estadia, deverá contactar o hotel para confirmar se há disponibilidade e, em caso afirmativo, a reserva será prolongada até à nova data combinada;
  • Caso o hotel não tenha disponibilidade, deve reencaminhar o profissional de saúde para a plataforma Rooms Against COVID, por forma a encontrar outra solução de alojamento.

 

Como se organiza o check-out?

O processo de check-out deverá ser célere e com o mínimo de contacto possível, devendo o profissional de saúde entregar as chaves na receção, realizando qualquer eventual pagamento, caso tenha solicitado algum serviço adicional, acordado previamente entre as partes.

 

Qual o valor do apoio e quando recebo?

  • O montante de apoio financeiro disponibilizado é destinado a ajudar a cobrir os principais custos de consumo, e tem como referência o montante de €10/noite, podendo este valor vir a ser isento de IVA a 6%, que habitualmente acresce (aguarda-se confirmação do Governo).
  • Assim, por exemplo, numa estadia de 30 dias, o valor total pago ao hotel é de €300 (com ou sem o valor do IVA incluído, dependendo da concessão da isenção).
  • A estimativa é que o pagamento aos hotéis seja feito até ao dia 20 do mês seguinte ao mês do check-out, não podendo este exceder os 30 dias após a data de check out. 

 

O que é preciso fazer para receber o apoio?

  • Até ao 5º dia útil do mês seguinte àquele em que o serviço foi prestado, o hotel envia um e-mail à AHP (covid-19@hoteis-portugal.pt), com os seguintes elementos:
    • Comprovativos da inexistência de dívidas à Segurança Social e à AT;
    • Relatório que identifique os serviços prestados, de acordo com minuta a disponibilizar pelo Turismo de Portugal, I.P.;
    • Faturas do alojamento com os seguintes dados:
      • Nome dos hóspedes
      • Nº de colaborador interno do hospital (com indicação em que hospital trabalha)
      • Datas de check-in e check-out
      • Valor de € 10/noite
    • Comprovativo de IBAN da entidade exploradora do hotel;
    • Identificação dos fornecedores de energia, telecomunicações, água e gás.
  • Após validação da documentação por parte da AHP e do Turismo de Portugal, o Turismo de Portugal procede ao pagamento do apoio à AHP, que o reencaminhará para cada hotel.
  • No final do mês de abril, quando os detalhes destes procedimentos estiverem finalizados, será enviado um email sobre como emitir e para onde enviar a fatura e os documentos referidos.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência de navegação e fornecer o melhor serviço possível. Continuando a navegar no site, aceita o seu uso.

Ver mais
Ok